O Melhor Guia sobre links internos

Quer obter posicionar mais palavras-chave em seu site com uma estratégia que depende exclusivamente de você? Pois é exatamente isso que você vai aprender neste guia: Como dominar o Interlinking ou vinculado interno para dominar o Google.

Prepare-se, porque esta é a melhor guia de ligação interno que vai encontrar. Vou demonstrar o grande poder do interlinking e vou explicar do zero tudo o que você precisa saber para dominar esta estratégia. Vamos lá!

Que é o Ligado Interno ou interlinking

O interlinking ou vinculado interno são os links que nós mesmos criamos entre as diferentes páginas de nosso site.

O que são os links internos?

Pois os links internos, antes de mais nada, devem servir para oferecer uma melhor experiência ao usuário.

Mas fazemos SEO e, portanto, não pensamos no usuário, também pensamos no Google. E é por isso que existem formas de controlar esse interlinking para que nos ajude com o posicionamento ou nos gerar mais vendas e dinheiro.

Se você criar uma boa estrutura de ligação interno, os usuários irão navegar mais dentro do seu site, e isso ajuda o posicionamento e a que tiver mais visualizações de páginas.

Quanto mais páginas visualizadas, mais vezes se vêem os anúncios. Mais o tempo passa o usuário para o seu site, etc., etc., Tudo isso é muito bom!!!! E a boa notícia é que eu vou ensinar-lhe como fazê-lo.Quer DUPLICAR o seu TRÁFEGO?

Tipos de ligação interno

O Melhor Guia sobre links internos
O Melhor Guia sobre links internos

Vamos estruturar a ligação interna em quatro tipos diferentes:

1.- Interlinking natural

Em primeiro lugar, temos o interlinking ou vinculado interno natural.

É o que mais rápido vamos ver, porque o ser natural, como o seu nome indica, é o que menos nos importa aqui.

E o que é o interlinking natural? Pois são os links internos que criamos em nosso site quando falamos de algo que, de forma totalmente natural, vai trazer valor para o usuário. Pensamos apenas no usuário.

Por exemplo: você está escrevendo algo e faz referência a um tópico relacionado sobre o que já escreveste no seu dia.

Então, é a coisa mais natural do mundo inserir um link interno para esse outro artigo que vai complementar a informação que você está oferecendo a seus usuários.

Fazendo isso, que vai surgindo de forma natural, você acaba criando muitos links que podem ser de valor para o usuário, mas que, nem muito menos, você tem otimizados para que te ajudem com o posicionamento. Ou seja, não é uma estratégia.

Você já foi ligando por que e por lá, conforme foi se dando de forma natural e, quando você tem seis meses de artigos publicados na web, você não tem nenhum controle sobre esses links internos de que você foi criado.

Será que isso é ruim? Não. Isso é natural e é bom porque você pensando no usuário.

Mas, a nível de SEO, nesse emaranhado descontrolada de links internos podemos encontrar artigos que nos permitam aplicar outro tipo de interlinking muito mais otimizado. Como é o caso do interlinking em cadeia, que vamos ver logo abaixo.

2.- Interlinking em cadeia

Antes de mais nada, eu preciso que você entenda que quando você publicar um novo artigo ou página no seu site, é página pode ter dois tipos de interlinking ou vinculado interno:

  • As ligações que entram para esta nova página
  • Os links que saem desta página

O interlinking em cadeia, o que faz é aproveitar as novas sinergias entre as diferentes páginas do seu site, desta forma:

  • Esse novo artigo ou nova página só tem links de saída para páginas do seu site mais difíceis de se posicionar.
  • Essa nova página só recebe ligações recebidas de outras páginas internas mais fáceis de se posicionar.

Desta maneira, o que fazemos é criar uma estrutura de ligação interno linear (horizontal), através da qual as páginas mais difíceis de posicionar recebem mais links internos, que é justamente o que nos interessa.

Enquanto isso, as páginas mais fáceis de posicionar têm mais links de saída.

Quando é que podemos usar esta estratégia de interlinking em cadeia que, por sinal, é a própria? XD

O interlinking em cadeia pode ser usado em muitos casos, mas eu recomendo que você aplique sobre tudo em:

  • Sites monotemáticas
  • Sites mais bem pequenas
  • Sites que não precisam de assentamento (que mais ou menos, ter palavras-chave interessantes em todos os níveis)
  • Sites que não tenham o risco de cair em canibalizaciones de palavras-chave
  • Sites que tenham rich snippets (rich snippets) bem definidos

Um exemplo seria unareceta.com. Neste caso, é uma grande web, e é um site onde existem possibilidades de canibalizaciones, mas por que usamos esta estrutura linear de interlinking na cadeia? Tudo tem um porquê 😉

Os rich snippets no sector das receitas são o leite. Estão super bem definidos.

Há muitos rich snippets (para o tempo de cozimento, para os ingredientes para a preparação de uma receita passo-a-passo, etc.) E para que servem esses fragmentos neste caso?

Os rich snippets são um código que diz o Google que vai de uma página (por exemplo, uma receita de frango no forno ao alho).

Embora essa página fala-se também de temas similares (por exemplo, frango com tomate), como os rich snippets entre si são diferentes, isso permite que o Google entender que essa página deve posicionar-se unicamente para a palavra-chave “frango no forno ao alho” e não para “frango com tomate”, embora a receita de “frango no forno ao alho” também se fale de “galinha” e “tomate”.

Outro motivo por que, neste caso, de unareceta.com, nós aplicamos esta estrutura de interlinking em cadeia, é que existem receitas que têm muitas pesquisas, mais do que sua própria categoria. E é por isso que nos interessa que essas receitas com tantas pesquisas recebem mais links internos de que a categoria em si para se posicionar melhor e captar essas pesquisas.

De outro modo, não teria sentido, porque nós estaríamos desperdiçando a possibilidade de posicionar melhor umas páginas que têm um potencial muito maior para captar buscas e atrair tráfego.

3.- Interlinking SILO

Neste caso, em vez de uma estrutura linear, temos uma estrutura piramidal (vertical), em que os artigos que têm mais pesquisas ou são mais difíceis de posicionar estão lá em cima, e estas páginas apontam, por sua vez, os itens do segundo nível, com mais pesquisas, e estes, por sua vez, o terceiro nível de artigos, e assim por diante.

Quando utilizamos uma estrutura de interlinking tipo SILO?

Pois tem muito sentido usar essa estrutura de ligação interna:

  • Sites multitemáticas. Por exemplo, um jornal que tem uma seção de Esportes, outra de Fofocas, etc., desta forma, se separam cada uma das temáticas da web.
  • Sites com uma hierarquia muito clara das pesquisas (o que ocorre, por exemplo, no meu projeto de avesexoticas.org, que tem uma arquitetura SILO).
  • Sites de e-commerce, onde é importante definir muito bem as hierarquias, porque há possibilidades de canibalização de palavras-chave entre páginas de categorias e páginas de produtos.

A arquitetura tipo SILO funciona muito bem para que o Google entenda as hierarquias e evitar canibalizaciones de palavras-chave, porque a estrutura das URLs inclui diferentes níveis.

Vamos vê-lo com um exemplo de avesexoticas.org:

  • A página Inicial (nível 1) tem a palavra-chave mais poderosa: aves exóticas
  • A partir da Home associamos ao nível 2, que são as páginas de tipos de aves exóticas (por exemplo, agapornis, papagaios, etc.)
  • Desde o segundo nível associamos ao terceiro, que são os tipos de aves de cada categoria (por exemplo, agapornis pullarius)

Desta forma, o Google não tenta posicionar, por exemplo “agapornis pullarius” para a palavra “agapornis” porque entende que já temos essa palavra-chave em outra página que a estrutura SILO está mais perto do nome do domínio, que está, portanto, em um nível superior e que tem mais links. Ou seja, entende-se como está estruturada a hierarquia.

4.- Interlinking Vertizontal (SILO + Strings)

A estrutura de Interlinking Vertizontal tem para o bem dos dois tipos anteriores: SILO e correntes.

É uma estrutura que tem hierarquias, mas que dentro de cada um dos SILOS, o interlinking é controlado para que as palavras-chave que têm mais pesquisas recebem mais links.

Na estrutura do SILO, dentro de cada SILO você pode fazer o interlinking como quiser. Sempre que não salte de SILÓ a SILÓ tudo está perfeito. As pessoas interessadas em “agapornis”, que veja tudo o que está relacionado com “agapornis”.

Em troca, neste caso a estrutura VERTIZONTAL, a gente que entra no SILO de “agapornis” acabará navegar pelas páginas que têm mais pesquisas (fora do SILO). As páginas que têm mais pesquisas, como acontece na estrutura de interlinking em CADEIA, recebem mais links e mais usuários.

O Problemas deste tipo de estrutura de interlinking? Nenhum.

Só tem um inconveniente. E é que, muitas vezes, não é necessário. Basta aplicar as coisas quando realmente podem nos trazer algum benefício. Se não é necessário, não há que perder esforços nem energia.

Este interlinking em CADEIA dentro de um SILO pode ser interessante, por exemplo, para redirecionar o tráfego de um SILO para outra página que nos gera mais receitas de publicidade.

Se você olhar para o seu Adsense e vê que uma página se está gerando receitas interessantes, mas, por exemplo, está em posição 7, você pode aplicar o interlinking em CADEIA para enviar mais links para essa página e dar um empurrão dentro do SILO.

Mas, o que foi dito, avalie se realmente você vai contribuir com algo. Não se prenda, porque muitas vezes isso não é necessário.

Como fazer interlinking

Agora que já sabemos o que é o interlinking, para que serve e os diferentes tipos, passamos à ação.

Vamos ver como se faz o interlinking e, para isso, vamos utilizar um exemplo real de interlinking VERTIZONTAL, porque, se você aprender como fazer este tipo de ligação interno, você vai saber perfeitamente como fazer todos os outros.

Vamos por partes.

Aqui você tem a estrutura do site avesxoticas.org. Temos a Home no primeiro nível, a página PILAR no segundo nível (no caso da categoria “pombos”), e de lá suspensão dos itens que estão no terceiro nível (tipos de pombos).

No terceiro nível, na cor verde, você vai ver que eu era um artigo (página) em concreto.

Trata-Se de um artigo sobre um tipo de pomba, o “quebrado ator”, que é o mais recente que temos publicado. Ou seja, é um artigo de novo dentro de um SILO e de uma web onde já há mais artigos com mais idade.

O que queremos fazer é usar o interlinking para melhorar o SEO do mesmo artigo novo para posicioná-la e para ajudar a sua vez, outros artigos a posicionar-se.

E é isso que vamos fazer passo a passo:

1.- Ir para o artigo novo a partir da página PILAR

E, para poder ser, a partir de um cluster.

Com isso, o Google já entende que o artigo do “falido ator” faz parte do SILO de “pombos”.

2.- Ordenar palavras-chave por buscas em uma folha de cálculo

Quando fazemos SEO, preocupamo-nos para saber quantas pesquisas são as principais palavras-chave de nossos artigos.

Ou seja, terei que saber que, por exemplo, a expressão “pomba mensageira” (A) tem 1 pesquisa ao mês, a “pomba arcanjo” (B) tem 10 buscas ao mês, que “quebrado marciano”(E) tem 200, etc.

(NOTA: esses números, eu os tenho convidado para a explicação, né? qualquer semelhança com a realidade é coincidência XD).

Então o que fazemos é irmos para um Excel Folha de Cálculo do Google ou o que quer que seja para ordenar os dados de palavras-chave e pesquisas e tê-los bem controlados para criar a estratégia de interlinking. Você pode baixar o modelo de interlinking que eu uso para meus projetos aqui.

Na primeira coluna, temos os itens (palavras-chave) e, na segunda, as pesquisas, em ordem de menos a mais.

O habitual é que no último lugar fique a página PILAR, neste caso, “pombos”, com 10.000 pesquisa, que é a que queremos receber mais links, pois tem mais buscas e é a mais difícil de se posicionar.

3.- Usar o Google para encontrar artigos relevantes para essa expressão (“quebrado marciano”)

Vamos fazer magia SEO! O que vamos fazer é usar as footprints do Google (comandos de busca) para que o mesmo pesquisador nos descubra quais são os itens que, dentro do nosso website e o nosso SILO de “pombos”, considera que são os mais relevantes para a palavra-chave “quebrado ator”.

Isso nos dá uma vantagem enorme, pois é o mesmo Google que está nos dando a informação!

Para isso, vamos ao Google e digite isso na caixa de pesquisa: inrl:avesexoticas.org/palomas quebrado murciano

Com isso, estamos dizendo ao Google que procure dentro de todo o seu índice das páginas que contêm em sua URL “avesexoticas.org” e “pombos” e que são mais relevantes para a palavra-chave “quebrado ator”.

O Google faz o seu trabalho a partir de nossas indicações e nos retorna os seguintes resultados:

Vemos que o primeiro resultado é o site do “falido ator”. Bom, porque demonstra que a Google lhe ficou claro que esse artigo deveria se posicionar para essa palavra-chave.

O segundo resultado é o da página PILAR de “pombos”. Tudo bem também! Porque o Google entende que esta página é relevante para tudo o que se tenha que ver com “pombos”.

Vamos colocar, por exemplo, que segundo o Google, a estes itens mais relevantes são o A, o C, o D e o G.

4.- Pesquisar variações de palavra-chave para o texto âncora de links de entrada

Vamos por partes, que eu sei que isso pode soar muito marciano, mas eu vou explicar em que consiste.

Pesquisar variações de palavra-chave… isto é, variações de “quebrado ator”. Ou seja, as diferentes formas em que se pode denominar o “quebrado marciano”.

Por que precisamos disso? Ora, para aumentar o registro de palavras-chave, e que o artigo não só posicioná-la para a expressão “falido clientes”, mas também para as variantes.

para textos âncora… isto é, as palavras que usamos para ligar (texto âncora ou anchor text).

de links de entrada… isto é, os links para este artigo (“quebrado murciano”) que criamos a partir das páginas dos artigos que a Google nos tem indicado anteriormente que acredita que são os mais relevantes para essa keyword.

Isso veremos no próximo ponto com um exemplo que você ficará muito mais claro.

5.- Ligar a partir de artigos antigos relevantes com menos pesquisas

O Google indicou que os itens A, C, D e G são os mais relevantes para a keyword “quebrado ator”. Mas o que vamos fazer é ligar apenas aqueles com menos de pesquisa. E isso é, nem mais nem menos, que interlinking em CADEIA.

Vamos ver:

Tanto o artigo como o C e o D estão entre os que a Google nos tem indicado que são mais relevantes e os três têm menos de pesquisa o artigo E (“quebrado marciano”).

Pegamos então um link do artigo Para o artigo, E (“quebrado barcelona”), do outro o C ao E, e do outro o C ao E.

Vamos ler o artigo na prática, com o exemplo real de avesexoticas.org:

O Google indicou que considera que a página do artigo do “buchón colillano”, que é outro tipo de pombo, é relevante para a palavra-chave “quebrado ator”. E vamos supor que “buchón colillano” tem menos procura.

Portanto, interessa-nos tirar um link a partir da página de “buchón colillano” para a de “quebrado ator”. Vamos fazê-lo.

Vamos ao artigo em questão, procuramos onde está a keyword e nós colocamos o link.

Pronto! Tudo o que temos!

Estas ligações vamos criar usando como texto âncora tanto a keyword principal (“quebrado murciano”) como as variantes que anteriormente temos procurado e já temos controladas (é o que vimos logo no ponto anterior).

Desta forma, estamos dando-lhe sinais para o Google de que essa página que recebe o link (“quebrado murciano”) é também relevante para as pesquisas dessas variações que estamos usando para anchor text.

Como vimos no exemplo anterior, nós acabamos de colocar um link com o anchor text “quebrado ator”. Agora vamos colocar um link com o texto âncora que você use outra variante ou sinônimo.

Para isso, vamos outra vez para a lista de resultados relevantes que nos indicou o Google. E selecione um outro artigo cuja palavra-chave tenha MENOS de PESQUISA do artigo para o que vamos colocar o link (“quebrado ator”).

Vamos colocar que tomamos o artigo de “buchón morrillero alicantino”. Clique no resultado e vamos ao artigo.

Nesta ocasião, vamos usar outro texto de âncora, por exemplo, “buchón quebrado ator”, que é outra forma de chamar o “quebrado ator”, isto é, é um sinônimo ou variante.

Buscamos a palavra-chave contida no artigo e, no seu caso, a substituímos pela variação. Por exemplo, neste caso o artigo já tinha incluindo a palavra-chave principal e eu incluído “buchón”. Nós incluímos o link.

Pronto! Desta forma, estamos dando-lhe sinais claros para o Google de que esse artigo também é relevante para a pesquisa de “buchón quebrado ator”.

O mesmo poderíamos usando outras variações da palavra-chave, para garantir que o Google entende que a página é relevante para todas as pesquisas que têm que ver com a keyword principal.

Tudo isso nós vamos ir controlando na nossa folha de cálculo.

Se criamos um link do artigo Para o E, que marcá-lo. Desde o C ao E, o mesmo. E assim em todos os casos.

6.- Pesquisar variações de palavras-chave para o texto âncora de links de saída

Não te assustes! Logo você vai entender XD.

Como acabamos de ver, quando criamos um novo artigo em nosso site (E), podemos usar itens antigos com menos de pesquisa (A, C e D) para colocar links e ajudar a que esse artigo (E) se posicione.

Mas… também podemos usar esse novo artigo (E) para colocar links para páginas com mais pesquisas e que esses produtos recebem um impulso para se posicionar melhor para suas palavras-chave.

Por exemplo, se o artigo F queremos posicionar para a palavra-chave “pombos-correio”, o que faríamos seria buscar variações ou sinônimos dessa expressão para colocar links usando como texto de âncora essas variantes.

Vamos colocar um link para o artigo F do artigo E. E vamos usar como anchor text ou texto de âncora a variante “pombos que levam mensagens” para dar sinais para o Google de que esse artigo também é relevante para essa keyword.

Como vemos, o artigo F (que recebeu o link) tem mais buscas que o E.

LEMBRE-se!!!

Nós sempre associamos a partir de páginas que têm menos pesquisas para páginas que têm mais pesquisas para empujarlas porque são mais difíceis de posicionar!

Estratégia de controle de ligações internas

Como já vimos antes, tudo isto que vamos fazendo o nosso poder, a nossa folha de cálculo.

Neste último caso, marcamos que colocamos um link de E para F.

A parte que você vê pintarrajeada de preto é porque não vamos usar. Por quê?

Porque como nós estamos fazendo uma estratégia de interlinking perfeitamente controlada, não vamos ligar a partir de páginas com mais pesquisas para sites que têm menos procura. Sempre vamos ao contrário: a partir de menos a mais.

Na folha de controle também pode incluir os textos de âncora que você usa para os links. É o que eu faço. Deste modo, você pode ter um controle absoluto de todas as palavras-chave e suas variações.

E se com toooodo isso parece pouco, Eddie Gomez desenvolveu um Add-on / plug-in para criar seus modelos de interlinking no Google Spreadsheets e controlar os seus links internos de forma espetacular. Você pode ler o artigo aqui.

Pois até aqui temos vindo! Foi intenso, mas agora você já sabe tudo o que você precisa para dominar o interlinking e arrasar!

Dúvidas, comentários? Te espero aqui em baixo!

Gostaria de continuar a estudar e não quer perder os meus vídeos? Subscreve-te ao meu canal do Youtube!

Aqui ou ali… vemo-Nos em breve!

Sou Romuald Fons e tenho ajudado a milhares de profissionais e empresas, para conseguir clientes, vendas e dinheiro com o seu site Quer saber como?

Fontes de Pesquisa:

Tudo Sobre SEO
Dicas de SEO
Crie um novo site no WordPress.com
Comece agora